Para entender melhor esse texto, assista ao nosso vídeo sobre Almeida Júnior e a obra “Caipira picando fumo”, da série “Fundamental”, clicando aqui ou na figura abaixo.

fundamental-02-caipira-picando-fumo-play

1o mito: Sua prima Maria Laura era o “grande amor” de sua vida

José e Maria Laura eram primos e namoraram até que ele foi para a Europa estudar. O pai dela não permitiu o casamento e forçou-a a casar-se com outro homem. José e Maria Laura tornaram-se amantes. O marido de Maria Laura descobriu tudo e sem compreender o amor que os unia, assassinou José na frente de toda a família.

Com exceção do assassinato, todo o resto é mito.

O mito do romance de José Ferraz de Almeida Júnior com Maria Laura do Amaral Gurgel foi construído principalmente pelo primeiro biógrafo do artista, Gastão Pereira da Silva, no livro Almeida Junior. Sua vida e sua obra, de 1946 – e que é usado até hoje por desavisados como referência, embora esteja repleto de erros, histórias falsas e interpretações equivocadas.

O que o biógrafo não conseguiu (ou não quis) apurar ele inventou, fantasiou, romantizou. E sua versão até hoje é adotada, muito porque é a mais “romântica”.

É verdade que Maria Laura era prima de Almeida Júnior, e primo também era José de Almeida Sampaio.

Mas o pesquisador Oséas Singh Jr., em sua dissertação de mestrado “A Partida da Monção-Tema histórico em Almeida Júnior”, de 2004, desmistificou a história do “romance proibido” fazendo um cálculo simples: se Almeida Júnior e Maria Laura tivessem tido um romance antes dele ir para a França a estudos, eles teriam iniciado o namoro quando ela tinha a idade de 5 anos (!). Pois ele embarcou para a Europa em 1876 e ela nasceu em 1871.

O que era certo é que o pintor e Maria Laura tinham um relacionamento que provavelmente iniciou-se em 1892 (de acordo com o processo-crime), a ponto dela reconhecer que um dos filhos que oficialmente era de seu marido era, na verdade, filho do artista. Ela morava em Piracicaba e o pintor vinha frequentemente à cidade, inclusive na última vez em que foi morto a facadas pelo marido, José Sampaio. Mas Maria Laura não era o “grande amor de sua vida”; Almeida Júnior teve, comprovadamente, mais um relacionamento, o qual falaremos lá embaixo, na última nota. Talvez tenha tido outros.

2o mito: Ele era tão caipira quanto os caipiras que pintava

Existe uma visão sobre o artista ituano de que ele tão caipira quanto os caipiras que retratou em suas obras que o tornaram famoso, como “Caipira picando fumo”, “Os violeiros”, “Amolação interrompida”, e muitos outros.

almeida-junior-o-derrubador-brasileiro-1879-02
Almeida Júnior. O Derrubador Brasileiro. 1879. Óleo sobre tela. Museu Nacional de Belas-Artes, Rio de Janeiro.

Enquanto o artista ainda estava vivo, já iniciou-se a construção desse mito do “artista caipira”, “filho da terra que manteve-se puro” apesar de ter estudado no exterior. Dizia-se dele que usava roupas simples e tinha um sotaque caipira muito forte, e que fazia questão de mantê-lo. Na biografia de Gastão Pereira da Silva, é narrado que Almeida Júnior foi um aluno retraído na Academia Imperial de Belas-Artes do Rio de Janeiro, que não tinha contato com os colegas. Em Paris, teria declarado “estou morto por mi pilhar no Brasil!”, ou seja, “não vejo a hora de voltar para o Brasil”. Imaginem um caipirão falando a frase com um “r” arrastado do interior paulista, arrastando seus lápis e tintas pela zona rural paulista e a imagem romantizada estará formada.

Apesar de ser natural de Itu e ter vivido na cidade até os 19 anos, de seu apelido familiar do artista ser “Jujuquinha” (porque seu pai tinha sido o “Jujuca do tanque”) e ter viajado muito pelo interior paulista depois que voltou da Europa, Almeida Júnior não era um “matuto”, muito menos um tímido, um retraído, um ermitão que preferia viver entre os caipiras e que só se sentia à vontade entre eles.

O artista foi estudar no Rio de Janeiro com 19 anos e ficou lá até os 26 anos. Depois de um período breve de em Itu, ganhou bolsa de estudos na França do próprio imperador D. Pedro II. Ficou cinco anos na Europa, falava francês fluentemente e passou um período na Itália. Antes de sua morte, em 1899, voltou mais três vezes à Europa, para mais estudos, tratamento de saúde e também a passeio.

Mantinha amizade e conversas frequentes com fazendeiros do interior paulista, profissionais liberais como engenheiros, médicos e advogados, além de altos funcionários do governo estadual paulista e federal no Rio de Janeiro, todos eles pessoas que costumavam ir à Europa com frequência e que eram o que havia de mais atualizado na época. Eram as pessoas “antenadas” da época.

Foi amigo dos republicanos que derrubaram a monarquia e instituíram a república no Brasil em 1889.

Retrato de Almeida Junior, feito por Paulo Valle Junior em 1940.
Retrato de Almeida Junior, feito por Paulo Valle Junior em 1940.

Além das telas dos caipiras, pintava alegorias com figuras mitológicas gregas, cenas religiosas, cenas de gênero (pinturas com temas domésticos) inspiradas em Johannes Vermeer, pintor holandês do século XVII (famoso entre nós hoje pelo quadro “Moça do brinco de pérola”).

Assim que chegou da Europa, recebeu uma encomenda de Dona Veridiana Valéria de Silva Prado, pessoa rica e bem-relacionada, na cidade de São Paulo, de uma pintura mural para decorar seu novo casarão. Ele atendeu prontamente à encomenda e ainda resolveu montar seu ateliê na capital paulista para atender clientes particulares, fato que ia contra a “lógica” de trabalho dos artistas, já que o principal cliente na época era o governo federal, que estava no Rio de Janeiro.

Essa visão empresarial do artista, fruto de uma mentalidade muito incomum entre os artistas dessa época, mostrava suas qualidades de empresário, pessoa bem-relacionada e que gostava muito de se encontrar com pessoas influentes para conversas. Temos relatos da época falando de conversas suas com aristocratas do café em trens e reuniões privadas.

Ele admirava Victor Hugo, Verdi, Balzac Beethoven. Era sócio do Clube Haydn, que promovia concertos. No seu inventário de bens, constavam livros em italiano, francês e latim. E ainda foi o único artista que fez parte da fundação do IHGSP – Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo em 1894. Parece um matuto caipira pra você?

Vendo os seus retratos, tanto pinturas quanto fotografias, observamos que o artista era um “tipão”, um homem charmoso, que projetava uma imagem bem-apessoada, até mesmo cosmopolita. O fato de ter tido relacionamentos com mulheres diferentes, incluindo a prima que era casada, também é um indicativo de que, no mínimo, ele tinha charme, e na linguagem de gíria de hoje, “sabia xavecar”.

Ou seja, pessoalmente, de caipira ele não tinha nada. A não ser pelo tema em suas pinturas.

3o mito: Ele era piracicabano, tinha ateliê em Piracicaba e pintou várias obras na cidade

A cidade de Piracicaba, interior do estado de São Paulo, homenageia Almeida Júnior com uma mostra de arte anual (Mostra Almeida Júnior, da Apap), uma praça e uma rua com o nome do artista. Além de possuir os restos mortais do artista no Cemitério da Saudade até hoje (a prefeitura de Itu solicitou a transferência do jazigo, mas os piracicabanos não deixaram).

Além do fato óbvio de que o artista foi assassinado na cidade, Almeida Júnior teria tido uma atuação na vida artística da cidade e ainda teria feito “dezenas” de discípulos na chamada “Noiva da Colina”.

É duro ser estraga-prazeres, mas Almeida Júnior não tinha ateliê em Piracicaba, nem deu aulas na cidade. O ateliê do pintor estava em São Paulo, na rua da Glória, onde também residia.

É verdade que o pintor teve alunos piracicabanos, mas não eram “dezenas”. A História registra o nome de somente dois: Joaquim Bueno de Mattos, que era de Campinas e que veio morar em Piracicaba somente depois da morte do pintor, estabelecendo ateliê e dando aulas de pintura até sua morte, em 1933, e João Baptista de Oliveira, que não seguiu carreira de artista.

Também é verdade que Almeida Júnior pintou pelo menos um quadro que têm explicitamente a paisagem de Piracicaba como tema (“Paisagem do rio Piracicaba”, acervo do Masp). Levando-se em conta que a obra do artista possui mais de trezentas pinturas, a cidade não lhe foi muito inspiradora…

Paisagem do rio Piracicaba, acervo do Masp.
Paisagem do rio Piracicaba, acervo do Masp.

Os artistas que se auto-denominaram “acadêmicos” em Piracicaba tomaram a sua figura como referência. Em seu, digamos, “entusiasmo”, acabaram fantasiando e criando novos mitos.

O livro “A morte no fim do mundo”, de Domício Pacheco e Silva, uma biografia recente de Almeida Júnior, tem esse nome porque na época em que o artista foi assassinado, havia uma “previsão” que o mundo ia acabar no dia em que ele foi morto, 13 de novembro de 1899. Mas também pode ser referência quanto a Piracicaba ser muito longe (na época) de São Paulo e muito mais ainda do Rio de Janeiro. Uma lonjura. Um “fim de mundo”, como se diz na expressão popular.

…e 01 coisa que você não sabia!

Quase ninguém sabe. Almeida Júnior teve um filho, Mario Ybarra de Almeida, nascido em 1893, e reconhecido em seu testamento em 1898. Ele era fruto de um relacionamento com Rita de Paula Ybarra.

Alguns estudiosos supõem que a pessoa retratada neste quadro de Almeida Junior, "A Leitura", seja Rita Ybarra.
Alguns estudiosos supõem que a pessoa retratada neste quadro de Almeida Junior, “A Leitura”, seja Rita Ybarra.

Mario estudou na Escola Nacional de Belas-Artes (a mesma Academia Imperial de Belas-Artes onde seu pai estudou, com outro nome) e foi premiado com uma bolsa de estudos no exterior, onde estudou na França, Itália e Holanda. Seguiu carreira na mesma profissão do pai. Ybarra foi professor de artes no interior do estado de São Paulo.

Ele esteve em Piracicaba em 1947 para assinar os papeis para a exumação do corpo do pai, que foi transferido para um novo jazigo no mesmo Cemitério da Saudade em que foi enterrado em 1899.

Referências para você saber mais:

ARAÚJO, Raquel Aguilar de. Desmistificando Almeida Júnior: a modernidade do caipira. 19&20, Rio de Janeiro, v. IX, n. 1, jan./jun. 2014. Disponível em: <http://www.dezenovevinte.net/artistas/artistas_aj_raa.htm>.

CARRADORE, Hugo Pedro. Os caminhos de Almeida Júnior: o criador do realismo brasileiro. Piracicaba: Prefeitura de Piracicaba, IHGP, 2001.

NAVES, Rodrigo. Almeida Júnior: o sol no meio do caminho. Novos Estudos, CEBRAP,  São Paulo,  n. 73, nov.  2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/nec/n73/a10n73.pdf>. Acessado em 10 fev.  2010.

“Picando Fumo”. Video. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=zzDW6yih-DI>. Acessado em 01/11/2016.

“Almeida Junior (1/2) – De Lá Pra Cá – 01/08/2010”. Video. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=huGhPf2M41k&index=86&list=LLYavgiPJZ-TbwniAShAsAow>. Acessado em 01/11/2016.

PACHECO E SILVA, Domício. A Morte no fim do mundo: a história do pintor Almeida Júnior. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2013.

SILVA, Gastão Pereira da. Almeida Júnior: sua vida, sua obra. Rio de Janeiro: Editora do Brasil, 1946.

SINGH JR., Oséas. Partida da Monção: tema histórico em Almeida Júnior. 2004. Dissertação (Mestrado em História da Arte) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Um comentário em “MITOS DESVENDADOS: 03 mitos sobre Almeida Júnior (e 01 coisa que você não sabia!)”

  • Sou da AP.L usando a cadeira de Almeida Junior e fui socia da A.P.A.P por muitos anos, participando de muitas exposiçoes da” Mostra Almeida Junior”e ganhei várias medalhas como Ouro. Prata, Menções Honrosas etc.
    Pretendo ir nessa sua palestra pois o assunto é muito interessante e envolvente.
    Sou escritora cooperadora dos jornais A TRIBUNA e Gazeta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *